Secretário de Educação apela para demagogia e desrespeito


07/10/2019 11h54 • atualizado 07/10/2019 11h54

Secretário de Educação de Macaé, Guto Garcia, foi nesta terça-feira, 24, à Câmara de Macaé, à convite, para tratar do PL nº 011/2019, em que o Prefeito quer adotar bônus para IDEB e Faltas aos servidores das escolas.

Vereador licenciado para assumir a Pasta do Governo, Guto afirmou que é impossível haver voto contrário à proposta, ou seja, uma tentativa desonesta de intimidar os vereadores. O que mais chamou a atenção foi a ausência de qualquer dado estatístico ou metas que deveriam ser apresentados pelo secretário, o que demonstra o vazio da proposta.

Sobre o IDEB

O secretário, apesar de reconhecer fragilidades no IDEB – Índice de Desenvolvimento da Educação Básica -, apresentou sua defesa irredutível à proposta, como de se esperar. Entretanto, faltou apresentar dados e metas sobre quais unidades precisam avançar no índice e quais ações do Governo já foram tomadas para tratar da questão.

Ele não explicou quais medidas podem ser adotadas para evitar distorções nos dados de cada unidade escolar. Também não informou quais as unidades escolares terão atenção diferenciada do Governo com a finalidade de atingir as metas, quais têm mais dificuldades e quais as dificuldades diagnosticadas em cada escola que precisa aumentar suas metas.

O que foi garantido pelo secretário de Educação é que em Escolas com dois segmentos de ensino fundamental poderá haver mais uma segregação. Apenas os professores do segmento que atingiu os índices serão contemplados. Ou seja, numa mesma escola professores terão 14º salário, outros não.

Dados sobre a Evasão Escolar também não foram apresentados por ele. Apenas afirmou que é “baixíssimo” o número de evasão. Importante lembrar que esses dados colaboram no cálculo do IDEB.

Faltas

Sobre as faltas, a mesma situação. O secretário, que é da área de “exatas”, não trouxe nenhuma estatística. Não apresentou dados sobre faltas de servidores. Informação fundamental para sustentar o Projeto de Lei.

Queremos respostas sobre quais as prioridades e ações do Governo e do Secretário para diminuir faltas e suprir as demandas de professores:

Quantas faltas por mês/trimestre/semestre/ano?

Quais principais unidades escolares afetadas?

Quais os principais motivos? Quantas justificadas e quantas não justificadas?

Qual expectativa de redução dos faltosos?

Quanto vai custar aos cofres públicos esses 2 abonos?

Por que não discute os 20% de defasagem salarial de todos os servidores?

Conclusão

O Governo segue jogando a conta dos problemas da Educação no servidor, no professor e demonstra nenhuma preocupação planejada e estratégica com os temas abordados pelo secretário e presentes do PL nº 011/2019. Apenas uma proposta midiática e que confirma a demagogia do modo de governar Macaé, Além do secretário de Educação deixar clara sua irritação e falta de educação.

Vereador Marcel Silvano - Informação obtida em http://marcelsilvano.com.br/artigos/secretario-de-educacao-apela-para-demagogia-e-desrespeito/